VOCÊ PENSA

VOCÊ PENSA Você pensa que sabe Mas não sabe Aquilo que sabe É, exatamente, O que não sabe E por não saber Que não sabe Você berra Que o que pensa É aquilo que sabe…

QUE RAIO

Mas, que raio nos acontece? Por que essa angústia? Essa vontade de chorar, contraída, Jogada no baú do equilíbrio Daquilo que pensamos estar sobre controle… Mas, que raio há com a gente? Que racionaliza os sentimentos E cobra sentimentalismo Daqueles que nos têm no pensamento… O que falta afinal, para Despir a mentira E sorrir […]

AQUELE

Eu sou Aquele! Aquele que leva bofetadas! O que perdeu o dinheiro e o absurdo Que apagou quando era escuro E acendeu quando era tarde Eu sou Aquele! Que de covarde à canastrão Pintou o rosto e mudou o nariz Eu sou Aquele! Que pisou no picadeiro Pra fazer o respeitável rir Eu sou Aquele! […]

O DIFERENTE

O que é diferente Nunca será igual Sempre será coringa Relevo… Destaque… Porque o igual não existe Existe diferente que pensa igual Que se comporta igual E que viu no igual Uma praticidade Para viver.

POR QUE…

Já viu movimento? A mudança, a mobilidade… Onde uma piscadela já foi… Onde o branco e preto vira cinza A chuva, goteira As mãos, na luva. Já sentiu o movimento? O “olá” em adeus… Os óculos e raio laser Transformando um olhar… Sabe… Eu que era míope Esguia Feliz… Já vi o movimento… E sei […]

FINGIMENTO

Quando a liberdade for anunciada Os pássaros vão fingir que voam A banda vai fingir que toca O vento vai fingir que sopra Os enamorados vão fingir que amam A flor vai fingir que brota Os lábios vão fingir que riem Os braços vão fingir um abraço A guerra vai fingir que não existe A […]

TIMIDEZ

Num suspiro morreu a palavra Na palavra morreu o embaraço No embaraço morreu a intenção Na intenção morreu o desejo No desejo morreu a espera Na espera morreu o desespero No desespero morreu quem ama E quem ama por não ter outra opção Escolheu, novamente, o suspiro.

DESENCONTROS

Os desencontros de minh’alma São decompostos e interligados Sem um alguém… Não sou… eu fui… Mas, porque deixo de ser? Porque aos poucos me obrigam A lugares e coisas que não me pertencem E, isso, aos poucos… Me sufoca E sufocada corro E correndo fujo E, na fuga, escapo Quando escapo, não sou mais eu.

NÓS

Especializei-me Por entre a prática da teoria Em dizer o que silencia E calar o que me grita. Sou carrasco de mim mesma. Eu me traio e saboto E retraio para compensar Não compensa ser você Não é preciso ser dois Eu sobrevivo mesmo assim… Especializamos em esquecer Que tínhamos uma lembrança Pretérita da felicidade…

O AFETIVO E O INTELECTO

Invadiu meu afetivo… Nem passou pelo intelecto… Agora, eu aqui estou Tentando entender O que sentimos E não entendemos… Preencheu meu afetivo… Confundiu meu intelecto… Quiçá, era disso que Eu precisava… Ou precisava De nada além talvez… Um sentimento aquém Que além de mim domina… Num total e puro afetivo Daquela que só via o […]

O QUE EXISTE…

Há coisas que se eternizam Contrariando o tempo Dispersando as horas Destruindo os momentos Recriando instantes Traduzindo gestos Embalando lembranças Revivendo Momentos que traduzem um retorno. Há coisas que são por si Esvaziando os balaios Perturbando os sossegos Partilhando os inteiros Descobrindo o escondido Escondendo os segredos E segredando O mais lindo silêncio.

ESFINGE

Por que me interpretar? Ler as entrelinhas… Correr nos sentidos das minhas palavras… Buscar nexo para o que esvazio por aqui… Para quê me entender? Não existo para ser decifrada… Não escrevo para esclarecer… Escrevo para me libertar… Dos erros e dos acertos Da vida e do português… Uma incógnita, sim! Bobo daquele que pensa […]

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.